Ver todas as notícias

5_7_2018__1_Novo folheto Linha Verde.jpg - uploaded/imgs/noticias/5_7_2018__1_Novo folheto Linha Verde.jpg - Programa Linha Verde divulga balanço dos primeiros seis meses do ano


Programa Linha Verde divulga balanço dos primeiros seis meses do ano

5/7/2018



O Linha Verde (2253 1177), programa do Disque-Denúncia do Rio de Janeiro exclusivo para recebimento de informações sobre crimes ambientais, recebeu, nos primeiros seis meses do ano de 2018, mais de 4600 denúncias sobre ilícitos cometidos contra o Meio Ambiente em todo o Estado do RJ. O grande destaque vai para o número de denúncias cadastradas pelo programa, através do aplicativo de celulares “Disque Denúncia RJ”, saltando de 103 de Janeiro à Junho de 2017 para 1220 no mesmo período deste ano.

Com essas informações que são repassadas pela população de forma anônima, o Linha Verde continua auxiliando a polícia no trabalho à esses ilícitos, prova disso é a expressiva quantidade de resultados positivos/crimes encontrados após essas denúncias recebidas através dos telefones 2253 1177 (capital) ou 0300 253 1177(interior, custo de ligação local). Somente no que diz respeito à prática de soltar balões, por conta da campanha “Disque Balão”, até junho, foram 20 denúncias a mais do que no mesmo período do ano passado e, com essas informações, cerca de 170 balões já foram apreendidos pela polícia, superando os 108 em todo o ano de 2017.

Diversos pássaros também foram resgatados de cativeiro graças as inúmeras denúncias sobre guarda e comércio de animais silvestres, locais de desmatamento, extração de árvores e extração mineral também foram localizados e os crimes coibidos. Tudo isso tem sido possível devido à conscientização ambiental por parte da população, que tem utilizado e acreditado cada vez mais o Linha Verde.

Vale salientar que o Linha Verde recebe denúncias em todo o Estado do Rio de Janeiro sobre queimadas, maus tratos contra animais, caça e guarda de animais silvestres, fabricação e comercialização de cerol, linha chilena e balões, poluição das águas e do solo, extração irregular de árvores, extração mineral, desmatamento florestal, pesca irregular, construção irregular, desvio de curso, comércio ilegal de água, captação clandestina de água, despejo de esgoto clandestino, desperdício de água, rinhas de galo, carvoarias clandestinas e lixo acumulado.

Fazendo uma análise sobre os tipos de assuntos denunciados ao Linha Verde, é possível constatar que “maus tratos contra animais”, “extração irregular de árvores”, “extração mineral” e “desmatamento florestal” foram os mais recorrentes, chegando a um total de 2.693 das quase 4.600 denúncias

No que se refere à distribuição territorial dessas denúncias, o Linha Verde também constatou que a população do município do Rio de Janeiro foi a que mais denúncias fez, seguidos por municípios da Região Metropolitana e Baixada Fluminense. Em se tratando da Região Serrana, Petrópolis lidera a lista de denúncias feitas, enquanto na Região dos Lagos a maior parte das informações veio de Cabo Frio. Nas regiões Norte/Noroeste, tem destaque o município de Campos dos Goytacazes e no Sul Fluminense/Costa Verde, Mangaratiba foi o local que mais contribuiu com informações sobre crimes ambientais. 

Para que esses números continuem crescendo enquanto os crimes ambientais são reduzidos, o Linha Verde solicita a população que continue denunciando ilícitos ambientais em todo o Estado do Rio através dos telefones 0300 253 1177 (interior, custo de ligação local), 2253 1177 (capital), ou através de seu aplicativo para celulares “Disque Denúncia RJ”, onde usuários com sistema operacional Android ou IOS podem denunciar anexando fotos e vídeos, também com a garantia do anonimato. A população pode também conhecer e curtir o Linha Verde no facebook, através do endereço: www.facebook.com/linhaverdedd.

Linha Verde, o Disque Denúncia do Meio Ambiente.



Ver todas as notícias

© 2015 Disque-Denúncia Rio todos os direitos reservados. Criação e desenvolvimento por ASCOM DD Rio.

O Disque-Denúncia é uma parceria da Secretaria de Estado de Segurança Pública com a sociedade civil do Rio de Janeiro.