Ver todas as notícias

15_4_2019__0_869b2622-418f-4db4-be80-85a99c53ef2f.jpg - uploaded/imgs/noticias/15_4_2019__0_869b2622-418f-4db4-be80-85a99c53ef2f.jpg - Construções e loteamentos irregulares, desmatamento e desvio de curso, considerados crimes ambientais, foram coibidos pela 4ª UPAm em Paraty


Construções e loteamentos irregulares, desmatamento e desvio de curso, considerados crimes ambientais, foram coibidos pela 4ª UPAm em Paraty

15/4/2019



No sábado (13) policiais militares lotados na Unidade de Policiamento Ambiental (UPAm) Juatinga realizaram ações de fiscalização na Prainha de Mambucaba, em Paraty, a fim de averiguar denúncias feitas ao Linha Verde (0300 253 1177) através do aplicativo para celulares “Disque Denúncia RJ”.

Na Avenida Angra 3, os agentes da 4ª UPAm se depararam com um homem realizando a construção de um muro de 20 metros, além de uma casa com cerca de 100 metros quadrados e uma elevação de concreto, causando retenção de um pequeno curso de água. Quando questionado sobre as licenças pertinentes, o mesmo informou não saber, haja vista que estaria apenas executando o serviço a pedido do proprietário do imóvel. Enquanto uma parte dos policiais se encaminhava à delegacia para registrar a ocorrência, outra guarnição procedia à Rodovia BR 101, altura do quilômetro 537, onde identificaram várias construções irregulares, pontos de aterro e desmatamento de mata atlântica de aproximadamente 60 mil metros quadrados, supressão de vegetação de árvores de pequeno a grande porte em área de preservação permanente. Ainda segundo os policiais ambientais, foram observados diversos lotes delimitados por cercas de arame, todos com nomes de compradores e em um córrego existente nas proximidades, havia materiais lenhosos sobre o mesmo, modificando o curso natural de água.

Próximo a esse local, os agentes observaram uma máquina retroescavadeira sendo operada por um homem que alegou estar abrindo uma vala de cinco metros de extensão para a passagem de tubulação de água e movimentação de terra com intuito de aterrar outro lote. Uma mulher, que afirmou ser proprietária da área que estava sendo loteada e desmatada informou aos policiais que vendia os lotes naquela localidade. Comprovados os ilícitos, todos os envolvidos foram conduzidos à 167ª DP onde foi verificado que a área degradada media cerca de 120 mil metros quadrados.

Vale sempre reforçar que crimes ambientais no Estado do Rio podem ser denunciados ao Linha Verde, pelo telefone 0300 253 1177 (custo de ligação local) ou ainda pelo aplicativo “Disque Denúncia RJ”. O anonimato é garantido ao denunciante.



Ver todas as notícias

© 2015 Disque Denúncia Rio todos os direitos reservados. Criação e desenvolvimento por ASCOM DD Rio.

O Disque Denúncia é uma parceria da Secretaria de Estado de Segurança Pública com a sociedade civil do Rio de Janeiro.